Um pouco da história de Joinville em exposição

Para quem gosta de história, o Arquivo Histórico de Joinville é passagem obrigatória para moradores da cidade e, principalmente, turistas. E se você estiver passeando na maior cidade de Santa Catarina até novembro deste ano (2019), poderá conferir parte da história de Joinville na exposição 200 anos de nascimento de Julie Engell-Günther (1819-1910).    

Visitas guiadas contam a história de Joinville 

No espaço são realizadas, inclusive, visitas guiadas nas quais os interessados podem ver o ambiente onde os documentos históricos são avaliados, recuperados, higienizados e restaurados. 

São mostradas, ainda, as salas que abrigam o acervo do Arquivo. Estão reunidos milhares de mapas, documentos públicos, fotos, correspondências, jornais, enfim registros variados que contam a história de Joinville. As visitas guiadas ocorrem em algumas épocas do ano. Por isso, antes de ir, confira por telefone quando haverá este programa.

Julie Engell-Günther: Uma revolucionária que chegou em Joinville em 1850

Muito se fala da Dona Francisca (filha de D. Pedro I e Maria Leopoldina, imperador e imperatriz consorte do Brasil), mas Julie Engell-Günther teve igual ou maior importância na criação da então Colônia Dona Francisca, atual cidade de Joinville. Ela chegou nestas terras em 1850, acompanhada do engenheiro Hermann Günther. 

O objetivo era preparar o local para estabelecer os primeiros imigrantes europeus que vinham em busca de uma novo lugar para morar e trabalhar. Julie Engell-Günther é autora das primeiras gravuras de Joinville. Elas foram publicadas em periódicos da Europa. 

As gravuras são apenas algumas das peças que compõem a exposição no Arquivo Histórico de Joinville. A Mostra foi inaugurada em julho e contou com bate-papo com a presença das pesquisadoras Izabela Liz Schlindwein e Elke Dislich. As duas foram responsáveis pela pesquisa histórica da exposição e toda sua concepção.

Além de observar as gravuras de Julie Engell-Günther, você poderá ver a reproduções de documentos, provenientes de arquivos, públicos e pessoais, como:

  • Instituto Martius-Staden de Ciências;
  • Letras e Intercâmbio Cultural Brasileiro-Alemão (São Paulo);
  • Instituto Ibero-Americano (Berlim/Alemanha); 
  • Instituto de História Social (Amsterdam/Holanda);
  • Instituto Clara von Rappard (Interlaken, Suíça).

Livre pensadora também é autora de livros

Julie Engell no Brasil (1849-1859) foi uma livre pensadora na Alemanha. Ela nasceu em agosto de 1819, na Pomerânia. A vinda para o Brasil foi na juventude, depois de ter participado das Revoluções de 1848. 

A viagem junto a outros intelectuais era para a Austrália, mas na primeira parada do navio para abastecer no Brasil, Julie decidiu permanecer no País. 

Casou-se com o engenheiro Hermann Günther que veio para demarcar as terras do Príncipe de Joinville que seriam destinadas à ocupação de imigrantes alemães. Ela ficou em terras brasileiras durante 10 anos. É autora de 4 livros publicados sobre sua experiência na América do Sul.

Arquivo Histórico de Joinville: Interesse público e social 

O Arquivo Histórico de Joinville é uma unidade da Secretaria de Cultura e Turismo – SECULT, do Município de Joinville (SC). O órgão é responsável por coordenar e implementar a gestão documental, a guarda permanente, a organização, a preservação e a difusão dos documentos produzidos, recebidos e/ou acumulados pelo Poder Executivo Municipal, bem como dos documentos privados considerados de interesse público e social sob sua custódia, visando o acesso à informação.

O Arquivo Histórico de Joinville fica na avenida Hermann August Lepper, 650, no bairro Saguaçu. A entrada é gratuita. Funciona de segunda a sexta-feira, das 8 às 18h. O telefone é (47) 3422-2154.

Para visitar a exposição “200 anos de nascimento de Julie Engell-Günther (1819-1910) e os demais pontos turísticos de Joinville e conferir também passeios incríveis para crianças hospede-se no Hotel Bavarium!